Hoje li um artigo falando sobre um antigo projeto para nosso querido bairro da Praia do Guaraú.

Belíssimo, na minha opinião, no trecho que diz:

4- Granjas Guaraú: Granjas modelo para a produção agro pastoril. Agricultura como estilo de vida.

“Pela primeira vez no Brasil, uma região perfeitamente delimitada como unidade, será aproveitada para as atividades humanas, sem a deformação ou mutilação das suas características fundamentais, mediante um projeto integral e racionalmente estudado, que permitirá ao ser civilizado atual viver em contato íntimo com a natureza primitiva. O projeto, que pela sua naturalidade e exatidão se ajustará na região como delicada luva, estabelecerá uma relação de harmonia entre o homem na sua alegria de viver e a natureza, que é e será sempre soberana no Vale do Guaraú.”

fonte: http://editorialivre.com.br/saiba-como-era-o-projeto-que-oscar-niemeyer-preparou-para-o-bairro-do-guarau-em-1955/

Podendo alinhar-se as ideias de Ernst Götsch, parando de excluir e criando “Áreas de INCLUSÃO PERMANENTE”

Numa visão mais abrangente onde “compartilhando melhor o pão” não exista mais a necessidade de nos aprisionarmos em nossas próprias casas com medo “do outro” que não possui… seja lá o que lhe falte.

Nosso momento histórico vem colaborando. Milhões de pessoas estão despertando sua consciência e buscando mais e mais informações (hoje tão abundantemente disponíveis). Cada um a seu tempo, escolhendo qual caminho seguir, confiante de que existem bem mais opções a nossa escolha. Que perceber onde erramos é o primeiro passo para fazer cada dia melhor.

Os “pobres” de bens materiais, subjugados pelos “pobres” de espírito podem criar e fortalecer-se mutuamente. Todos seremos ricos em bens, sáude, espírito, paz e harmonia.

Assim que a idea das AIPs – “Áreas de INCLUSÃO PERMANENTE” chegou até mim, imediatamente visualizei uma muralha de moradores bem informados, bem orientados e atuantes, morando nos entornos de nossas áreas de preservação. Imaginei um cordão de APIs envolvendo as APPs. Como bravos soldados, eles formariam a corrente de proteção de grandes áreas.

Atualmente podemos ter as melhores leis, mas sem as melhores fiscalizações elas de nada adiantam.

Uma a uma, as famílias dispostas a isso poderiam ser instaladas, educadas e treinadas para esta missão. Tudo pode começar bem pequeno, com um grupo de educadores, especialistas em agroflorestas, bioconstruções, sistemas auto sustentáveis. Em pouco tempo teremos muitos cases de sucesso e experiência suficiente para replicar o conhecimento para o Brasil inteiro.

Veja um trabalho de Agrofloresta em larga escala e de grande sucesso:

 

Sim, nós podemos fazer mais e melhor.

Leia um pouco mais aqui. Compartilhe conosco os Cases de Sucesso que tiver conhecimento 😀

Quer contribuir de uma maneira mais fácil? Clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *